Publicidade

PGS recebe licença para campanha em águas profundas em Sergipe

A PGS Offshore recebeu do Ibama licença ambiental para realizar campanha para aquisição de dados sísmicos 3D em águas profundas de Sergipe. A licença é válida até 30 de abril de 2019 e prevê a utilização da embarcação sísmica Ramform Tethys. A campanha vai cobrir a área dos blocos SEAL-M-351 e SEAL-M-428, arrematados pela QGEP na 13a rodada da ANP, realizada em 2015. Serão adquiridos 4,2 mil km2 de dados.

Petrobras busca sócio para projeto com dois novos FPSOs em Sergipe

O que a Petrobras vai testar em águas ultraprofundas de Sergipe?

Sergipe ultraprofundo começa a produzir em 2018

Os dois blocos foram as únicas áreas offshore arrematadas na 13a. A QGEP ofertou R$100,0 milhões em bônus de assinatura pela participação nos dois blocos exploratórios, sendo R$63,9 milhões para o Bloco SEAL-M-351 e R$36,1 milhões para o Bloco SEAL-M-428, ambos os valores equivalentes ao bônus mínimo requerido na licitação. No programa exploratório mínimo (PEM) firmado com a ANP, há a previsão de aquisição de sísmica 3D para os dois blocos, o que deverá demandar entre US$15 e 20 milhões. O compromisso de conteúdo local é de 37% na fase de exploração e 55% na fase de desenvolvimento.

Os prospectos identificados são do tipo pós-sal e os principais reservatórios até o momento são arenitos turbidíticos do Eocretáceo. Os blocos estão localizados entre  80  e  100 km  de distância da costa, com lâmina d’água entre  2.800 m  e  3.300 m . São limitados a oeste com blocos onde ocorreram recentes descobertas de óleo leve de excelente qualidade, as quais se encontram em fase de delimitação. O fluido esperado na região é predominantemente óleo leve.

Na 14a rodada, realizada ano passado, QGEP fechou parceria com ExxonMobil e Murphy Oil para aquisição de áreas no entorno dos blocos arrematados na 13a rodada. A estratégia envolveu também o farm-in das duas americanas nas áreas arrematadas em 2015.




Comentários no Facebook