Publicidade

Urgência para PL das distribuidoras tem resistência até na base do governo no Senado

Senador Eduardo Braga e o presidente do Senado, Eunício Oliveira, durante sessão no Senado (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A proposta do governo federal para votar ainda hoje e em regime de urgência o PL 10332/2018, que permite a privatização de seis distribuidoras da Eletrobras no Norte e Nordeste, tem poucas chances de prosperar no Senado. Parlamentares da oposição e da base já se pronunciaram contra a articulação, pedindo mais tempo para o debate da matéria.

A principal fala contra a proposta veio do senador Eduardo Braga (MDB/AM). Ex-ministro de Minas e Energia do governo Dilma Rousseff, Braga falou ao final da sabatina dos novos diretores da Aneel que “não há como” o Senado votar a matéria em tão pouco tempo. Segundo Braga o Senado não deve votar uma proposta de venda de patrimônio púbico “em regime de urgência a 80 dias da eleição geral”.

Na oposição as críticas vieram da senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB/AM), que disparou contra a articulação do líder do governo, Romero Jucá (MDB/RR) na tentativa de realizar a votação. “Eu quero dizer que estou tranquila porque, na reunião de Líderes do dia de ontem, o Senador Eunício Oliveira garantiu a todos os Líderes que lá estavam que não colocaria essa matéria para ser votada no plenário do Senado Federal, porque é impossível votar uma matéria de tamanha envergadura sem que haja o mínimo debate”, afirmou a senadora.

Mais cedo, o próprio líder do governo reconheceu a dificuldade da manobra. Jucá afirmou que buscaria o presidente do Senado para propor a votação, mas confirmou o PL das distribuidoras só entraria na pauta de hoje com um acordo entre líderes e definiu a tentativa de votação como “um abacaxi”. Ainda assim, o senador frisou que não é possível prever as chances de a votação ocorrer.

O governo tentará a votação em regime de urgência, proposta que precisa ser aprovada por maioria no plenário do Senado. O leilão das subsidiáriasestá marcado para o próximo dia 26. “A gente está falando de uma bucha, de um abacaxi, porque chega no último dia uma matéria complexa dessa. Não é fácil”, disse Jucá a jornalistas.




Guilherme Serodio é editor de Política da E&P Brasil

Comentários no Facebook