Publicidade

Pedidos de sísmica offshore já superam 2017. Veja levantamento

O número de registros de pedidos de licenciamento ambiental para campanhas de aquisição de dados sísmicos em 2018 já superou todos os pedidos realizados no último ano, apontam dados do Ibama. São pedidos 14 processos de licenciamento em 2018 até esta quinta-feira, contra 12 registrados no último ano.

O número de pedidos de licença ambiental cresce no país na esteira da retomada dos leilões de petróleo e gás feitos pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) e com o calendário de leilões para os próximos anos. Algumas das campanhas atualmente em licenciamento vão cobrir áreas que serão licitadas apenas em 2019.

A PGS Offshore é atualmente a companhia com o maior número de pedidos de licença ambiental registrados em 2018. São ao todo cinco projetos em licenciamento, sendo três na Bacia de Santos e outros dois nas bacias de Campos e Potiguar, cada. A CGG iniciou este ano três processos para campanhas de aquisição de dados na Bacia de Santos, que é a maior demandante atual de levantamento de dados.

Veja abaixo os dados:

Abaixo, um overview das 14 campanhas com licenciamento iniciado em 2018: 

Shell licencia campanha em Gato do Mato 

A Shell iniciou o licenciamento de uma campanha para aquisição de dados sísmicos na área dos blocos exploratórios BM-S-54, onde está a descoberta de Gato do Mato, e Sul do Gato do Mato, área vendida para o consórcio Shell e Total no 2o leilão do pré-sal, realizado em outubro do ano passado.

A petroleira pretende iniciar a aquisição em julho de 2019. A previsão é que a campanha, que vai compreender também a área de Maromba, adquira dados em uma área total de 9.400 km².

A Shell pretende utilizar as bases portuárias do Rio e Niterói e o Aeroporto de Jacarepaguá para fazer a logística da campanha.

PGS olhando para a 16a rodada

A PGS pretende iniciar em dezembro de 2019 uma campanha para aquisição de dados sísmicos 3D para cobrir parte das áreas que serão ofertadas na bacia na 16a rodada de licitações da Agência Nacional do Petróleo (ANP), prevista para acontecer no segundo semestre do próximo ano. A campanha será feita um polígono com 53.211,00 km2.

A PGS trabalha com a possibilidade de usar os portos do Rio de Janeiro, de Santos e Itajaí para logística e as atividades de abastecimento, troca de tripulação, transferência dos resíduos gerados, etc. A atividade terá a duração de aproximadamente 180 dias.

CGG licencia 3D com Nodes em Peroba

A CGG iniciou o licenciamento de uma campanha de aquisição não exclusiva de dados sísmicos 3D, com Nodes, na área do campo de Peroba, no pré-sal da Bacia de Santos. A empresa pretende iniciar a aquisição dos dados em março do próximo anos e a campanha, que será adquirida pela Petrobras no seu término, deve durar 200 dias.

O bloco de Peroba foi arrematado pelo consórcio Petrobras (40%), CNODC (20%) e BP Energy no 3o leilão do pré-sal, realizado em outubro do ano passado. O consórcio ofereceu 76,96% de excedente em óleo para a União para ficar com a área, que foi disputada também por outros dois consórcios: Statoil/ExxonMobil e Shell/CNOOC.

Peroba localiza-se em lâminas d’água de cerca de 2,1 mil metros e a cerca de 300 km ao sul da cidade do Rio de Janeiro.

Spectrum licencia campanha no PAMA

A Spectrum está licenciando uma campanha para aquisição de dados sísmicos 2D na Bacia do Pará Maranhão. A campanha vai adquirir 8.617 km de linhas sísmicas 2 durante 90 dias. A expectativa da empresa, de acordo com os dados informados ao Ibama, é iniciar a aquisição em janeiro de 2019 com termino previsto para março de 2019.

Polarcus licencia 3D no offshore capixaba

A Polarcus está licenciando no Ibama a aquisição de 25.920,30 Km² de dados sísmicos 3D na parte offshore da Bacia do Espírito Santo. A campanha vai englobar os blocos ES-M-592 e ES-M-667, arrematados respectivamente por CNOOC e Repsol na 14a rodada da ANP, realizada ano passado, e os blocos sob concessão operados pela Petrobras e a Statoil na região, arrematados na 11a rodada da ANP, realizada em 2013.

A campanha será feita pelo navio Polarcus Adira. O tempo previsto para esta atividade é de 210 dias. A área da pesquisa sísmica está localizada em profundidades superior a 600 metros sendo a menor profundidade na área de manobra 400 metros. O ponto mais próximo da área de atividade até a costa fica a 41 km do município de Aracruz.

PGS licencia campanhas nas bacias de Santos e Campos

A PGS Offshore está licenciando duas campanhas para aquisição de dados sísmicos não exclusivos nas bacias de Campos e Santos. As campanhas cobrem as áreas arrematadas na 14a rodada e na 15a rodada da ANP, realizadas em setembro do ano passado e em março deste ano. Nos dois leilões foram arrematados 21 blocos nas duas bacias, sendo 12 na 14a rodada e outros 9, na 15a rodada.

A aquisição de dados em licenciamento também abrange parte da área de Alto de Cabo Frio Central, adquirida pelo consórcio Petrobras e BP no 3o leilão do pré-sal, realizado no ano passado. Compreende também a área de Dois Irmãos, que será licitada no 4o leilão do pré-sal, que acontecerá em 7 de junho.

A primeira campanha, batizada como Programa Santos Cabo Frio, vai levantar dados em um polígono de 44.293,00 km2 a 126 km de distância mínima da costa do Estado do Rio de Janeiro, em águas com profundidade superior a 1500 metros. A atividade terá a duração de aproximadamente 500 dias, com início previsto para março de 2019.

A segunda campanha, batizado como Programa Campos Águas Profundas, vai levantar dados em um pológono com 23.290,00 km2 de área a 102 km de distância mínima da costa do Estado do Rio de Janeiro, em águas com profundidade superior a 500 metros. A atividade terá a duração de aproximadamente 150 dias, com início previsto para fevereiro de 2019.

As duas campanhas vão utilizar para logística os portos de Vitória (ES) e/ou Rio de Janeiro.

CGG licencia nova campanha na Bacia de Campos

A CGG está licenciando uma campanha para aquisição de dados sísmicos 3D, não exclusivos, na Bacia de Campos. A campanha vai adquirir 15.712 km² de dados sísmicos com arranjo de 12 cabos com 12.000 metros de comprimento, entre espaçados por 100 m e vai cobrir a região onde ExxonMobil e Petrobras arremataram blocos exploratórios na 14a rodada da ANP, realizada em setembro do ano passado.

A previsão da empresa é que todo o trabalho de aquisição dos dados seja iniciado em janeiro do próximo ano. O Porto de Niterói será utilizado como base de apoio logística para a campanha, que tem duração prevista para 215 dias.

PGS licencia 3Ds no Espírito Santos e Potiguar

A PGS Offshore inicou o licenciamento de duas campanhas para aquisição de dados sísmicos 3D nas bacias do Espírito Santo e Potiguar. A previsão da empresa é iniciar a aquisição de dados no Rio Grande do Norte em outubro e no Espírito Santos, em janeiro do próximo ano. A campanha capixaba tem previsão de durar 330 dias e a potiguar, 180 dias.

A campanha na Bacia Potiguar vai cobrir a área onde Petrobras, Shell e Wintershall arremataram blocos exploratórios na 15a rodada, realizada mês passado.O polígono da atividade possui 11.603,00 km2 de área e está localizado a 43 km de distância mínima da costa do Rio Grande do Norte, em águas com profundidade superior a 500 metros. As linhas sísmicas e suas manobras serão executadas na direção leste/oeste (E/W). A empresa vai utilizar os portos de Fortaleza, Pecem e Natal para apoio logístico da campanha.

No Espírito Santo, a campanha 3D vai cobrir a área onde estão os blocos exploratórios arrematados por Petrobras e Statoil na 11a rodada da ANP, realizada em 2013. O polígono da atividade possui 28.691,00 km2 de área e está localizado a 51 km de distância mínima da costa do Estado do Espírito Santo, em águas com profundidade superior a 1000 metros. Os portos de Vitória, CPVV-Vila Velha e Rio de Janeiro serão utilizados para logística.

+ PGS fará sísmica da Queiroz Galvão em Sergipe

+ 13 campanhas para aquisição de dados sísmicos em licenciamento

TGS licencia sísmica na Bacia de Campos mirando 16a rodada

A TGS iniciou o licenciamento para a aquisição de 9.568 km de dados sísmicos 3D na Bacia de Campos. A empresa, que não possui embarcação própria, ainda vai definir o barco que será utilizado na aquisição, que tem previsão para ser iniciada em julho e durar 210 dias.

A área da campanha está localizada em profundidades superiores a 2.750 m, tendo a cidade de Arraial do Cabo, no região dos Lagos do Rio de Janeiro, o ponto mais próximo da costa, com 150 km de distância. O porto do Rio de Janeiro será utilizado como base logística offshore para toda a campanha

A área da aquisição cobre parte do setor SC-AP4, que será ofertado na 16a rodada de licitações da ANP, prevista para acontecer no segundo semestre do próximo ano. O leilão de concessão de blocos exploratórios do próximo ano prevê a oferta áreas nas bacias de Camamu-Almada (setores SCAL-AP1 e AP2) e Jacuípe (setor SJA-AP) e de águas ultraprofundas fora do Polígono do pré-sal das bacias de Campos (setor SC-AP4) e de Santos (setor SS-AUP5). Também serão ofertadas áreas nas bacias terrestres do Solimões (setor SSOL-C) e Parecis (setores SPRC-L e O).

 CGG licencia campanha em áreas da 15a rodada nas bacias de Campos e Santos

A CGG está licenciando com o Ibama a aquisição de 35.806 km² dados 3D na região onde estão localizados os blocos offshore que serão licitados nas bacias de Campos e Santos na 15a rodada da Agência Nacional do Petróleo (ANP)A campanha, na modalidade especulatória, está prevista para ser iniciada em 1o de setembro de 2018, com duração estimada de 350 dias. A empresa dividiu todo o trabalho em três partes para facilitar a visualização espaço/temporal do projeto. A empresa vai utilizar o Porto de Niterói para apoio das atividades de aquisição de dados.

Spectrum licencia sísmica 3D para áreas em Santos nos leilões de 2019

A Spectrum iniciou o licenciamento ambiental para campanha de aquisição de dados sísmicos 3D em área onde serão ofertados blocos exploratórios na 16a rodada de licitações e também no 5o leilão do pré-sal, ambos previstos para 2019. De acordo com dados enviados ao Ibama, a área total da aquisição será de 38.018,29 Km2.

O cronograma traçado pela empresa prevê o início da aquisição, que será feita pelo barco BGP Prospector, em agosto deste ano. Toda a campanha deve durar 120 dias, com término previsto atualmente para outubro deste ano. . Será utilizado preferencialmente o Porto do Rio de Janeiro para as operações de apoio à atividade sísmica, a cada cinco ou seis semanas, nos quais deverão ocorrer as seguintes operações de apoio.

A aquisição vai envolver o setor SS-AUP-5, em águas ultraprofundas da Bacia de Santos, que será ofertado na 16a rodada de licitações. O leilão está previsto para o segundo semestre do próximo ano e o planejamento atual prevê apenas este setor para oferta em Santos.

PGS já licencia campanha para 2020

A PGS pretende iniciar em julho de 2020 a aquisição de dados sísmicos em uma área de 68.697,00 km2 a 196 km de distância mínima da costa de São Paulo, em águas com profundidade superior a 200 metros. A atividade terá a duração de aproximadamente 180 dias e cobrir áreas em águas rasas da Bacia de Santos.




Comentários no Facebook