Publicidade

MP da comercialização do petróleo do pré-sal recebe 32 emendas

A Medida Provisória 811/17, que libera a Pré-Sal Petróleo para contratar comercializadora para a parcela do petróleo da União nas áreas do pré-sal, recebeu 32 emendas parlamentares de 13 deputados federais e um senador.  Apenas o senador Lindbergh Farias (PT/RJ) apresentou emendas ao projeto. Ato todo o parlamentar fluminense enviou quatro emendas. 

O deputado Antonio Caros Mendes Thame (PV/SP) foi o deputado que mais apresentou emendas ao projeto, ao todo quatro. Todas as emendas do parlamentar estão ligadas ao mercado de gás natural. Na primeira pretende garantir aos autoprodutores e autoimportadores do energético  seu caráter de serviço privado.

“Faz-se necessário definir claramente que a construção, a implantação, a operação e a manutenção das instalações e dutos essenciais às atividades de produção/importação e consumo que ocorrem dentro de uma mesma área manterão seu caráter de serviço privado e são responsabilidade integral dos agentes detentores de registro de autoprodução e autoimportação. Tal alocação de responsabilidade em Lei se faz essencial uma vez que as citadas instalações e dutos são parte integrante e indissociável das atividades de autoprodução e autoimportação. A emenda resulta em ganhos de eficiência, qualidade e controle de custos para o autoprodutor, autoimportador e toda a cadeia econômica. O atual vácuo legal tem agregado riscos às atividades e desincentivando investimentos e, portanto, iniciativas de expansão da oferta de gás e de geração de postos de trabalho”, diz a justificativa do texto.

Em outra emenda, o parlamentar faz a regulamentação do acesso à capacidade disponível das infraestruturas de dutos existentes. Determina que a ANP fixará o valor e a forma de pagamento da remuneração adequada com base em critérios previamente estabelecidos, caso não haja acordo entre as partes, cabendo-lhe também verificar se o valor acordado é compatível com o mercado. 

“A regulamentação do acesso à capacidade disponível das infraestruturas existentes e inerentes à oferta do gás natural da União se faz necessária para garantir a maximização da receita da União na comercialização destes recursos e o abastecimento ao mercado em bases competitivas. Esta medida regulamentar poderia evitar o risco de postergação da declaração de comercialidade dos campos produzidos em regime de Partilha da produção, em função da inexistência de economicidade para viabilizar o escoamento do gás”, argumenta. 

O parlamentar propõe ainda que, em até 30 dias após a publicação da Lei de conversão da MP, a ANP publique ANP uma norma disciplinando todas as premissas utilizadas pelos transportadores no cálculo de sua receita máxima requerida, abrangendo, inclusive, as receitas relativas a contratos existentes. “Devendo ainda divulgar os dados e premissas adotados para a fixação das receitas requeridas dos transportadores e das tarifas dos gasodutos existentes, disponibilizando a avaliação da base dos ativos, dos custos de operação e manutenção dos gasodutos de transporte, das taxas de desconto e dos índices de depreciação e de retorno condizentes com a atividade de transporte”, justifica. 

O deputado José Guimarães (PT/CE) propõe emenda para tornar obrigatória a realização de licitação para a contratação da comercializadora e também a realização de leilão, quando a PPSA for vender diretamente o petróleo e gás da União.

“Consideramos que a exigência de licitação na fase de contratação de agentes comercializadores e de leilão na venda final pela PPSA são instrumentos essenciais para o atingimento de tais objetivos”, diz o parlamentar em sua justificativa.

Em outra emenda, o parlamentar pretende incluir no texto da MP a possibilidade da cobrança da parcela de produção destinada à União pelo seu equivalente monetário. “Nessa caso, a própria empresa contratada para realizar a exploração e produção do petróleo e gás, detentora do “know-how” relacionado às atividades comerciais do setor e com maior potencial para obter bons negócios no mercado, ficaria com a responsabilidade de efetuar a comercialização da cota-parte da União e repassar aos cofres públicos a receita proveniente dessa operação”, diz sua emenda.

Na sua última emenda, pretende também fixar o preço de referência da ANP como balizador para a venda do petróleo e gás da União no pré-sal. “Ocorre que a Medida Provisória tende a favorecer enormemente as empresas petroleiras multinacionais, que, conforme explicitado nas justificativas apresentadas pelo governo, são as potenciais compradoras da parcela de produção da União. Considerando que tais empresas terão a possibilidade de comprar da PPSA o petróleo e o gás que elas mesmo produzem, chega-se ao raciocínio óbvio de que esse produto será destinado à revenda e de que a comercialização a ser operada pela PPSA, para ser exitosa, terá que ser feita a um preço muito abaixo do praticado no mercado, de modo que haja auferição de lucro nesta intermediação. Caso contrário, a operação não seria vantajosa para os produtores. Essa venda a preços baixos está sinalizada e autorizada pela MP, uma vez que permite a comercialização da parcela da União a preços inferiores ao preço de referência, na hipótese de não haver interessados na compra”, diz.

O deputado Alex Manente (PPS/SP), Milton Monti (PR/SP), Vinicius Carvalho (PRB/SP), João Paulo Papa (PSDB/SP) Afonso Mota (PDT/RS) pretendem incluir na MP um artigo que determina que a PPSA realize a cada três anos, leilão específico do petróleo e gás pertencente a União para fins de industrialização no Brasil, para uso energético e não-energético, destinada à operação de plantas em atividade ou à construção ou expansão de Polo Petroquímico, Polo Gás Químico, Refinaria, fábrica de escala mundial no Brasil. “O país deveria seguir o exemplo do que ocorreu no Oriente Médio, com a descoberta do petróleo, e nos Estados Unidos, com o avanço tecnológico que permitiu a exploração do shale gas, gerando empregos de qualidade, tributos e riqueza nessas regiões. Vale lembrar que no Brasil a remuneração do trabalhador no setor químico é 100% acima da média da indústria, segundo o IBGE”, comentam.

Os parlamentares de São Paulo e o deputado gaúcho também apresentaram emendas prevendo que o Conselho Nacional de Política Energética – CNPE deverá editar resolução com a nova política de comercialização de petróleo, gás natural e outros hidrocarbonetos fluidos, para uso energético e não-energético, até 31 de dezembro de 2018”.


 

Veja abaixo todas as emendas recebidas: 

CMMPV 811/2017 – Comissão Mista da Medida Provisória nº 811, de 2017
Autores Resultado Nº na Comissão Turno
1 Deputado Federal José Guimarães (PT/CE) EMENDA 1 – MPV 811/2017 Único
2 Deputado Federal José Guimarães (PT/CE) EMENDA 2 – MPV 811/2017 Único
3 Deputado Federal José Guimarães (PT/CE) EMENDA 3 – MPV 811/2017 Único
4 Deputado Federal Alex Manente (PPS/SP) EMENDA 4 – MPV 811/2017 Único
5 Deputado Federal Alex Manente (PPS/SP) EMENDA 5 – MPV 811/2017 Único
6 Deputado Federal Vinicius Carvalho (PRB/SP) EMENDA 6 – MPV 811/2017 Único
7 Deputado Federal Vinicius Carvalho (PRB/SP) EMENDA 7 – MPV 811/2017 Único
8 Deputado Federal Milton Monti (PR/SP) EMENDA 8 – MPV 811/2017 Único
9 Deputado Federal Milton Monti (PR/SP) EMENDA 9 – MPV 811/2017 Único
10 Deputado Federal Eduardo Cury (PSDB/SP) EMENDA 10 – MPV 811/2017 Único
11 Deputado Federal André Figueiredo (PDT/CE) EMENDA 11 – MPV 811/2017 Único
12 Deputado Federal André Figueiredo (PDT/CE) EMENDA 12 – MPV 811/2017 Único
13 Deputado Federal Afonso Motta (PDT/RS) EMENDA 13 – MPV 811/2017 Único
14 Deputado Federal Afonso Motta (PDT/RS) EMENDA 14 – MPV 811/2017 Único
15 Deputado Federal João Paulo Papa (PSDB/SP) EMENDA 15 – MPV 811/2017 Único
16 Deputado Federal João Paulo Papa (PSDB/SP) EMENDA 16 – MPV 811/2017 Único
17 Deputado Federal Weverton Rocha (PDT/MA) EMENDA 17 – MPV 811/2017 Único
18 Deputado Federal Antonio Carlos Mendes Thame (PV/SP) EMENDA 18 – MPV 811/2017 Único
19 Deputado Federal Antonio Carlos Mendes Thame (PV/SP) EMENDA 19 – MPV 811/2017 Único
20 Deputado Federal Antonio Carlos Mendes Thame (PV/SP) EMENDA 20 – MPV 811/2017 Único
21 Deputado Federal Antonio Carlos Mendes Thame (PV/SP) EMENDA 21 – MPV 811/2017 Único
22 Deputado Federal Antonio Carlos Mendes Thame (PV/SP) EMENDA 22 – MPV 811/2017 Único
23 Senador Lindbergh Farias (PT/RJ) EMENDA 23 – MPV 811/2017 Único
24 Senador Lindbergh Farias (PT/RJ) EMENDA 24 – MPV 811/2017 Único
25 Senador Lindbergh Farias (PT/RJ) EMENDA 25 – MPV 811/2017 Único
26 Senador Lindbergh Farias (PT/RJ) EMENDA 26 – MPV 811/2017 Único
27 Deputado Federal Evair Vieira de Melo (PV/ES) EMENDA 27 – MPV 811/2017 Único
28 Deputado Federal Evair Vieira de Melo (PV/ES) EMENDA 28 – MPV 811/2017 Único
29 Deputado Federal André Figueiredo (PDT/CE) EMENDA 29 – MPV 811/2017 Único
30 Deputado Federal Davidson Magalhães (PCdoB/BA) EMENDA 30 – MPV 811/2017 Único
31 Deputado Federal Davidson Magalhães (PCdoB/BA) EMENDA 31 – MPV 811/2017 Único
32 Deputado Federal Andre Moura (PSC/SE) EMENDA 32 – MPV 811/2017 Único






Comentários no Facebook