Publicidade

Ibama libera FPSO de Tartaruga Verde. Plataforma é a terceira do ano a entrar em operação

O FPSO Campos dos Goytacazes está no campo de Tartaruga Verde desde maio. Foto: Cortesia Ibama

A Petrobras iniciou a produção doFPSO Cidade de Campos dos Goytacazes no dia 22 de junho, mesma data que o Ibama emitiu a licença de operação para a plataforma do campo de Tartaruga Verde, no pós-sal da Bacia de Campos. A licença é válida até 25 de junho de 2023 e destrava a produção do projeto, que faz parte do programa de desinvestimentos da Petrobras e terá sua jazida unitizada relicitada na 5a rodada do pré-sal, que vai acontecer em 28 de setembro.

O FPSO, afretado com a Modec, está no campo de Tartaruga Verde desde maio deste ano. A unidade teve casco convertido e módulos construídos e integrados no Estaleiro Cosco, na China. Os módulos construídos no Brasil foram integrados no Estaleiro Brasfels, em Angra dos Reis. A plataforma tem capacidade para produzir 150 mil barris por dia de petróleo e comprimir 5 milhões de m3 por dia de gás natural.

Petrobras busca sócio para projeto com dois novos FPSOs em Sergipe

P-75: faça um passeio pelo FPSO

+Cinco FPSOs em licitação no Brasil

O campo de Tartaruga Verde é um reservatório localizado na área sul da Bacia de Campos, a cerca de 127 km da cidade de Macaé, no Rio de Janeiro, em lâmina d´água de aproximadamente 1.000 m e a uma profundidade de 2.993 m. Toda a produção do campo será processada pelo FPSO Cidade de Campos dos Goytacazes.

Dados do FPSO Cidade de Campos dos Goytacazes:

  • Capacidade de processamento de óleo: 150 mil barris/dia; 
  • Capacidade de Tratamento e compressão de gás: 3,5 e 5 milhões de m³/dia, respectivamente; 
  • Capacidade deTratamento de água de injeção: 200 mil barris/dia; 
  • Capacidade de armazenamento: 1,6 milhões de barris de óleo; 
  • Ancoragem em profundidade d’água: 765m; 
  • Comprimento total: 335m; 
  • Largura: 58m; 
  • Altura: 31m.

E quantas plataformas de produção já começaram a produzir em 2018?

O FPSO Cidade de Campos dos Goytacazes é a terceira unidade a iniciar a produção em 2018 e o primeiro na Bacia de Campos. Dados da ferramenta de FPSOs da E&P Brasil indicam que a próxima unidade de produção a entrar em operação na Bacia de Campos é o FPSO que fará parte do sistema integrado do parque das Baleias, no parte capixaba da Bacia de Campos. Esse FPSO está atualmente sendo licitado pela Petrobras e deve entrar em operação em 2021.

Dois FPSOs iniciaram a produção este ano. O FPSO P-74, que é a primeira unidade de produção definitiva das áreas da cessão onerosa, que o Congresso Nacional atualmente discute liberar a Petrobras para vender até 70% de participação dos projetos, e o FPSO Petrojarl I, primeiro projeto totalmente privado da Bacia de Santos.

P-74

O FPSO P-74, primeira módulo do campo de Búzios, na Bacia de Santos, iniciou a produção em 20 de abril. A P-74 está localizada a cerca de 200 km da costa do estado do Rio de Janeiro, em profundidade d’água de 2.000 metros e é a décima terceira plataforma a entrar em operação no pré-sal brasileiro.

FPSO Petrojarl I

A produção no poço 7-ATL-2HP-RJS, no campo de Atlanta, operado pela QGEP na Bacia de Santos, começou no dia 2 de maio. Localizado no Bloco BS-4, na Bacia de Santos, Atlanta é um campo de óleo do pós-sal situado a 185 quilômetros da cidade do Rio de Janeiro, em lâmina d’água de aproximadamente 1.500 metros. O óleo está sendo produzido para o FPSO Petrojarl I, e será vendido para a Shell, que contratou a compra de todo o óleo do Sistema de Produção Antecipada (SPA) do campo.




Comentários no Facebook